Incêndios regulares e gigantescos em Portugal podem ser criminosos

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

incendio portugal

Trezentas pessoas foram evacuadas na madrugada desta terça-feira da Ilha da Madeira e do sul de Portugal devido a incêndios florestais que avançaram para outras regiões depois de atingirem, sobretudo, o norte do país.

A situação no Funchal complicou-se na noite de terça-feira. O vento forte e as elevadas temperaturas fizeram com que o fogo descesse desde as zonas altas do concelho até à cidade.

As chamas no Funchal obrigaram mais de mil pessoas a abandonar as casas e os hotéis onde estavam alojadas, na sequência do fogo que na terça-feira atingiu a zona baixa da cidade do Funchal.

incendio portugal1

As chamas deflagraram nas zonas altas do Funchal, em São Roque, pelas 15.30 horas de segunda-feira e, na terça-feira à noite o fogo desceu à baixa, havendo ainda incêndios a lavrar noutros concelhos da ilha.

Os incêndios já provocaram um morto, centenas de desalojados, dois feridos graves e evacuações de dois hospitais, lares de idosos e alguns hotéis na Madeira.

Esta quarta-feira de madrugada, fonte do Governo Regional confirmou à agência Lusa que a vítima mortal é uma idosa. Segundo a RTP, a uma mulher estava acamada numa das habitações afetadas pelo fogo, na zona da Pena, perto do centro da cidade do Funchal.

Na zona da rua da Pena viveram-se momentos de grande pânico, quando um “tufão de fogo” atingiu pelo menos 15 casas, segundo o relato de Edgar Silva, ex-candidato presidencial do PCP. “Era um tufão de fogo incontrolável”, frisou, em declarações à RTP. As pessoas no local largaram os carros e fugiram em direção ao mar numa tentativa de se salvarem.

Durante a noite, os relatos davam conta de um “cenário dantesco” e de uma situação “completamente descontrolada”, com muitos focos ativos espalhados pela cidade, entre os quais o Til, Rochinha, Penteada, sendo audível o som de algumas explosões. Muitas pessoas abandonaram as suas casas no centro da cidade, levando malas e animais.

Um prédio ardeu na rua de São Pedro, no coração do Funchal, muito perto da igreja de S. Pedro e de um pequeno centro comercial. O prédio pertence ao governo regional e estava devoluto. Os bombeiros lançaram água sobre o telhado da igreja de forma a evitar o avanço das chamas.

Também na rua do Til, junto à escola da APEL, existiam diversos focos de incêndio e em Santa Luzia, perto da escola Bartolomeu Perestrelo, várias casas foram consumidas pelas chamas. A população tinha sido previamente retirada.

O trânsito esteve caótico, com muitos congestionamentos na baixa do Funchal. A via rápida foi encerrada, mas já reabriu ao trânsito, embora as entradas da cidade estejam condicionadas.

O Serviço Regional de Proteção Civil apelou às pessoas que estão no Funchal e “que não se encontram nas zonas afetadas pelos vários focos de incêndio ativos que permaneçam nas suas habitações e, especialmente, que não circulem utilizando viaturas”.

Ao fim da noite, o presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque, fez um balanço atualizado da situação: cerca de 600 pessoas realojadas; 36 casas ardidas e dois feridos graves devido a queimaduras. Um deles, um idoso que sofreu queimaduras depois de recusar abandonar a habitação, na freguesia do Monte, foi transferido para a unidade de queimados do Hospital de Santa Maria, em Lisboa, num avião da Força Aérea.

Miguel Albuquerque sublinhou a existência de outros focos além do concelho do Funchal, nomeadamente, na Calheta e na Ponta do Sol, onde as chamas seguem em direção a Paúl da Serra. Os bombeiros tentam evitar que cheguem à zona de Rabaçal e 25 Fontes, zonas turísticas da ilha.

A antever uma noite complicada, cerca das 19 horas, o autarca do Funchal já dava conta do agravamento da situação nas Babosas e no Curral dos Romeiros, zona alta do concelho, devido à “intensificação das rajadas de vento e à alteração da direção das mesmas”.

“Neste momento o fogo está descontrolado nas zonas das Babosas e do Curral dos Romeiros”, afirmou Paulo Cafôfo, referindo que nestes locais há pessoas a serem retiradas de casa.

O hotel Choupana Hills, perto do estádio da Choupana, “está também a ser desocupado”, avançou o autarca aos jornalistas. “Inclusive tínhamos como ponto de concentração o próprio estádio do Clube Desportivo Nacional, mas temos de procurar outras alternativas para deslocalizar as pessoas”, adiantou.

Junto ao Hospital Doutor João de Almada, uma unidade de cuidados continuados, há uma outra situação de incêndio com alguma intensidade que já motivou a retirada dos cerca de 300 doentes.

“Neste momento temos um foco de incêndio complexo, no caminho dos Poços, no caminho dos Lombos, ao pé da estrada Luso-brasileira”, na freguesia de Santa Luzia, acrescentou o autarca.

O centro comercial Dolce Vita foi evacuado, cerca das 18.30 horas.

Força especial a caminho da Madeira

A criação e envio de uma força especial para a Madeira foi aprovado numa reunião entre o primeiro-ministro, António Costa, e o comandante operacional nacional da Autoridade de Proteção Civil, José Manuel Moura.

Esta força, denominada “Missão Madeira, é composta por dez bombeiros profissionais, dez bombeiros voluntários, dez elementos do Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS) da GNR e cinco técnicos do INEM. A equipa de 35 elementos, sob o comando do segundo comandante nacional da Proteção Civil, tem chegada prevista à Madeira pela 1 hora da madrugada de quarta-feira.

A decisão de criar esta força especial surge na sequência de um pedido das autoridades regionais, que ativaram esta terça-feira de manhã o Plano de Contingência Regional.

O gabinete da ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, informou ao fim da noite o reforço do apoio à Região Autónoma da Madeira com o envio de mais 80 operacionais para apoiar o combate aos incêndios. Dois voos, cada um com 40 operacionais, têm partida prevista para as 3.30 horas e 8.30 horas de quarta-feira.

O presidente do Governo da Madeira, Miguel Albuquerque, tinha afirmado, num balanço dos incêndios feito cerca das 16 horas, que a situação na Madeira estava “perfeitamente controlada”.

O chefe do executivo madeirense referiu que seriam mantidos os dispositivos que estavam a atuar nos diferentes focos na costa sul da ilha, nomeadamente no concelho do Funchal (Laginhas, Monte, Caminho do Tanque e Corujeira); no concelho da Calheta (zona oeste da ilha), onde se registavam duas frentes (Arco da Calheta e Paúl da Serra); e nos Canhas, na Ponta do Sol.

O responsável confirmou que dois bombeiros sofreram ferimentos ligeiros na sequência de um acidente ocorrido com uma viatura autotanque da corporação dos Bombeiros de Câmara de Lobos.

Um levantamento provisório aponta para 27 moradias afetadas pelo fogo no Funchal, que não reúnem condições de habitabilidade, sendo 11 na freguesia de São Roque, 13 no Monte, três em Santo António. Além disso, duas unidades industriais de carpintaria “foram totalmente destruídas”, informou.

incendio Funchal

Além da evacuação do Hospital dos Marmeleiros (hospital público na freguesia do Monte, na zona alta), do qual foram retirados 234 doentes em duas horas, foi necessário tomar a mesma medida, “por precaução”, no Lar de Santa Isabel da Santa Casa da Misericórdia do Funchal, o que afetou cerca de 60 idosos.

“Foi acionado o Fundo de Socorro Social no valor de 163 mil euros, numa deliberação do governo para apoio à construção de habitações destruídas ou danificadas e para reabilitação de realojamentos”, realçou.

O governante acrescentou que o programa comunitário Proderam (Programa de Desenvolvimento da Região Autónoma da Madeira) também contempla medidas para recuperação de terrenos agrícolas afetados pelos incêndios e anunciou que foi criada uma linha de emergência (926768743) que funcionará durante 24 horas para prestar todas as informações necessárias neste tipo de situações.

O Governo Regional da Madeira anunciou a dispensa dos funcionários públicos que trabalham no centro do Funchal, esta quarta-feira de manhã, para evitar um grande afluxo de pessoas na cidade, devido à situação provocada pelos incêndios.

incendio portugal2

A alteração “favorável” das condições meteorológicas (atualmente há vento e temperaturas elevadas, a rondar os 38,1 graus) só está prevista para esta quarta-feira de manhã.

Sobre a situação do homem de 24 anos detido como presumível autor do incêndio que deflagrou em São Roque, na zona alta do Funchal, Miguel Albuquerque opinou que deveria existir “uma maior vigilância” no caso de pessoas com este tipo de doença.

fonte: JORNAL DE NOTÍCIAS

Posted in Sem categoria.